Santiago me lembrou uma São Paulo menos acelerada e menor, e, como uma grande cidade tem de tudo e para todos os gostos. Dali saem passeios do mar à neve, basta escolher e montar o seu roteiro.

Abaixo, seguem os 6 dias que passei em Santiago, porém, como usei a capital de base para o Atacama e Pucón, alguns dos dias foram parciais, devido aos deslocamentos.

Dia 1

Foi possível conhecer vários pontos turísticos como Plaza de la Constituición, Plaza de Armas, Catedral Metropolitana de Santiago e Museu Histórico Nacional. Todos estes pontos são bem próximos, e são rápidos de serem visitados.

Plaza de Armas

Ainda no mesmo dia, foi possível ir ao Cerro San Cristóbal, onde há um bonde que te leva ao topo do cerro, e de lá além da vista da cidade, é possível ver toda a Cordilheira do Andes que cerca Santiago. No Cerro há ainda um zoológico, trilhas e um caminho que pode ser feito de bicicleta.

Cerro San Cristóbal

Na volta, passei pelo bairro Lastarria, mais precisamente na rua Lastarria, onde há vários restaurantes, bares e bistrôs. Aproveitei para experimentar uma cerveja local com um Hamburger (pasmem, no Chile colocam abacate em tudo, inclusive no hambúrguer).

A noite ainda fomos à um barzinho na rua Pio Nono, são vários bares lado a lado, mas por ser dia de semana não estava muito movimentado.

Dia 2

O segundo dia estava chuvoso, mas ainda deu para conhecer o Museo de la Memoria y los Derechos Humanos. Achei incrível o contraste do passado, da história e do sofrimento ali exposto, com a tecnologia utilizada para contar o passado e a arquitetura moderna e clean do lugar.

Museo de la Memoria y los Derechos Humanos
Museo de la Memoria y los Derechos Humanos

Dia 3

Como comentei, usei Santiago como base, e na minha volta para a cidade fiquei apenas um dia. Aproveitei para conhecer o Shopping Costanera, organizar minhas coisas para o próximo destino, que seria Pucón, uma cidade ao sul do Chile e descansar um pouco.

Não fui, mas neste shopping há o Sky Costanera, um mirante com vista 360° do topo do prédio mais alto da América Latina, não deixe de conhecer!

Dia 4

Neste dia, estava chegando de Pucón então foi meio apertado. Deu para reencontrar alguns amigos que fiz pelo caminho, conhecer o Mercado Municipal, o Patio Bella Vista e o Parque Florestal.

Patio Bella Vista

Dia 5

Fui conhecer Viña del Mar e Valparaíso, reserve o dia todo para este passeio. Como não havia me programado, fiz um bate e volta, fechei o passeio tipo citytour, passando muito tempo no ônibus e não conhecendo alguns lugares que gostaria. De toda forma, ainda pude molhar os pés no Oceano Pacífico, conhecer a casa de Pablo Neruda e a Quinta Vergara, mas fica a dica de pesquisar antes e vale muito a pena fazer o Free Walking Tour, para conhecer melhor o lugar.​

Relógio Floral – Viña del Mar

Dia 6

Fiz o passeio ao El Colorado, Farellones e Vale Nevado. Como uma boa brasileira que nunca havia viajado ao exterior, sonhava em conhecer a neve. Acordei cedo e fui até a rodoviária, onde fechei o passeio. Fui com o motorista até o local onde encontramos 4 turistas uruguaios que havia conhecido no dia anterior e subimos em direção a neve. Embora fosse fim de temporada e as estações de esqui já estivessem fechadas, foi possível brincar na neve, descer de trenó por ali e aproveitar o dia. Minha sugestão, é que leve algo para comer, pois os únicos lugares para almoçar ali, são bem caros.

Estação de Esqui – El Colorado
Estação de Esqui – El Colorado

Sugestões de passeios

Uma rota famosa, são os passeios pelas vinícolas da região, alguns podem ser feitos de bicicleta, ou há passeios que pode conhecer várias vinícolas diferentes num único dia, alem das degustações. É interessante reservar um dia completo. ​

Outro passeio que não tive tempo de fazer, mas que li vários comentários positivos e fotos incríveis é Cajon del Maipo e Embalse el Yeso.

Troca de moeda

No primeiro dia fiz a troca da moeda, pois havia levado somente o necessário para o taxi e alguma emergência. São várias casas de câmbio na mesma rua, Rua Augustinas, e vale a pena conferir uma a uma, pois tem uma diferença significativa entre elas.

Onde me hospedei

Para o primeiro dia, havia feito a reserva no Che Lagarto, uma rede de hostel presente em 5 países, e em 17 cidades no Brasil. Cheguei na madrugada e fui informada que havia ocorrido um problema hidráulico no prédio e que teríamos que procurar outro lugar pela manhã. Aparenta ser um hostel bem bacana, interativo, entretanto não deram suporte para mudança de hostel e não foi feito o estorno da reserva já paga.

Após sermos despejadas (risos), conseguimos vaga no La Casa Roja, que embora fosse mais simples, o atendimento era excelente e foram muito prestativos. Fica localizado na mesma rua das casas de cambio. Neste hostel deu para conhecer pessoas bem legais.

Na ultima passagem por Santiago, ficamos em outro hostel, o Santiago Backpackers, um casarão bem antigo, e por estar decorado para o Halloween deixou um clima intrigante e era mais próximo de estação de metrô.
Santiago não foi uma cidade pela qual me apaixonei, como foi o caso de San Pedro de Atacama e Pucón, no entanto me senti acolhida e muito a vontade.

Conteúdos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Rolar para cima